Notícias

19/10/2012 - Horário de Verão - Início dia 21/10/12

Fiquem atentos com o horário.
Os relógios deverão ser adiantados em uma hora neste domingo (21/10). O horário brasileiro de verão vai até o dia 17 de fevereiro de 2013. Moradores das regiões sul, sudeste e centro-oeste e do estado de Tocantins devem adiantar os relógios em uma hora. Nos demais estados não haverá mudança no horário.
O objetivo do horário de verão, é a economia do consumo de energia por meio do aproveitamento da luz natural do dia. Assim, a prática reduz a demanda em períodos considerados como “horários de ponta” (das 18 às 21hs), onde o consumo é bem maior.
No Brasil o horário foi experimentado pela primeira vez no verão de 1931/1932. Até 1967, sua implantação foi feita de forma desorganizada, sem muitos critérios. Depois de passar 18 anos sem que o horário de verão fosse instituído, a medida voltou a vigorar no verão de 1985/1986 em caráter de emergência pelo governo, preocupado com o baixo índice dos reservatórios das hidrelétricas, que na época obrigou a população a racionar água. A partir de 1985/1986, o horário de verão passou a ocorrer todos os anos, sem interrupção.
Em 2008, o então presidente Luís Inácio Lula da Silva assinou o decreto de número 6.558, que estabelece os padrões para as futuras horas de verão em parte do território nacional. Segundo o artigo primeiro do decreto, fica instituído que a hora de verão de todos os anos tem início a partir de zero hora do terceiro domingo do mês de outubro, até a zero hora do terceiro domingo do mês de fevereiro do ano seguinte.
O secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Ildo Grüdtner, disse que mudança de horário proporciona um ganho considerável para a segurança do sistema elétrico brasileiro. “Menor demanda implica maior segurança para o sistema, que não fica tão ‘estressado’. Há também maior flexibilidade operativa para liberar instalações para manutenção e redução da geração de energia térmica para atender a esse consumo”, explicou o secretário.
De acordo com expectativas do governo, com a adoção do horário de verão, será evitado um gasto de R$ 280 milhões com o acionamento de usinas térmicas neste ano para suprir a demanda no horário de pico. Segundo Grüdtner, a redução da demanda de energia no horário de pico neste ano deve ser de cerca de 4,5%, o que representa 2,2 mil megawatts. A redução total de consumo deverá ser de 0,5%



Veja Mais